Quarta-feira, 1 de Novembro de 2006
(36) A RECEITA

Os meus momentos de felicidade tem sido lampejos.

Suponho por isso legitimo ansiar pela plenitude.

Numa dessas revistecas que tudo solucionam, era prometida a conquista da felicidade em dez passos, com o aval de não sei quantos cientistas e testemunho de outros tantos supostamente felizes e decerto também bem pagos.

Céptico por natureza, não deixo porém de estar aberto à mudança.

Esta atitude e a aparente simplicidade das dez tomas do milagroso milongo, umas diárias, outras semanais, embarcaram-me na experiência, entrando desde logo nas tomas diárias.

As duas primeiras seriam canja.

1)      Cortar metade do tempo a visionar TV

Tirei a ficha da tomada. Dada a qualidade da programação, estava a usar para adormecer.  Cá me arranjarei  e, se necessitar, tomo um soporífero.

2)      Tratar duma planta

Isto adoro. O problema é que trato de muitas e fico receoso do perigo da toma em excesso, mas esperançoso que daí mal não venha

3)      Dizer olá a um desconhecido

Teria de sair.  Sem hesitar, aperaltei-me e, todo janota contra o meu uso, desci as escadas.

Cruzei-me na porta com o tal desconhecido.  Franqueei a passagem e disse OLÁ.

A primeira decepção.  O tipo, carranca afivelada, olhou de soslaio, passou. Não correspondeu, nem agradeceu a gentileza.

Sem perca de tempo, saí e deparei com uma mulher ainda jovem.  OLÁ, disse eu, quando se aproximou.  Não olhou, levantou a cabeça e prosseguiu, certamente convencida que eu pretendia um engate.

A adrenalina começou a borbulhar e fiquei especado.

Entretanto aproximava-se uma velhinha com ar seráfico. Afivelei o meu sorriso às comissuras, sem receio de mostrar os dentes que já não são meus e, na aproximação, gorgeei o meu melhor dos OLÁS.

Boa. Parou. Fitou-me compadecida e disse:

                               Tenha paciência. Não tenho trocado.

 

Não tomo mais nada

Desisto de ser feliz por inteiro, contentar-me-ei com os lampejos. Dependendo de terceiros, o grau de dificuldade sobe em flecha.

No entanto sem responsabilidade nem garantia de êxito, estou ao dispor para indicar os restantes sete passos.

Pode dar-se o caso sejam mais “felizes” do que eu.



publicado por solcar às 16:50
link do post | favorito

De Di a 2 de Novembro de 2006 às 09:58
Foi pena não teres examinado a bula dessa receita. Calculo que diria qualquer coisa como ... :Efeitos secundarios : Tendência a dependencia de terceiros.

Pois é meu amigo, esse é o entrave e é o caminho directo para o insucesso


De solcar a 2 de Novembro de 2006 às 10:58
Esperava pedisses o resto da receita.
Temos de encontrar o produto que amenize o efeito secundário.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

(39) O ADEUS À LUTA

(38) SOLIDÃO... QUE SOLID...

(37) O ECLIPSE

(36) A RECEITA

(35)CONVERSAS DE VIDA E M...

(34) OS SÁBIOS

(33) O LABIRINTO

(32) DIA DA DULCE

(31) MOSCA (II)

(30) SINAIS DOS TEMPOS

(29) MOSCAS

(28) DE CABEÇA PERDIDA (I...

(27) O TESTAMENTO

(26) AS PORTAS E A PORTA

(25) ROSA

(24) VOAR

(23) O COAXO

(22) A VERDADE NUA

(21) FOLHA MORTA

(19) A GARRAFA

(20) A BESTA

(18) MISSÃO IMPOSSIVEL

(17) AOS AMIGOS DO CORAÇÃ...

(16) SAUDADE

(15) A MASCARA

(8) 0 FOGO DA VIDA

(14) OS NUS

(13) FELICIDADE

(12) REPOUSO

(11) A LUTA

(10) DO CORAÇÃO

(9) OS OUTROS

(7) OS AMIGOS

(6) O ENCONTRO

(5) O SONHO

(4) SOU...

(3) OS ESPELHOS

(2) E O AMOR ?

(1) VERDADEIRA SOLIDÃO

arquivos

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds